segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Descascador de tucumã é destaque em feira internacional de artesanato


Um descascador de tucumã é um dos grandes destaques da 6ª edição da Mundial Art – Feira Internacional de Artesanato, Moda e Decoração que ocorre no Centro de Convenções do Amazonas (CCA) que aconteceu até o dia 10 de
setembro de 2017, das 15h às 22h.
A novidade para facilitar a culinária amazonense é fabricada na Alemanha, desde 1956, vendida no Brasil há 26 anos, mas ainda é desconhecida por grande parte da população consumidora do fruto amazônico.
O utensílio, vendido na feira, foi desenvolvido para facilitar o processo de retirada da casca grossa do tucumã, que requer habilidade para realizar o procedimento. “Este produto é fabricado desde 1956 na Alemanha e no Brasil já é vendido há 26 anos, mas poucas pessoas o conhecem.
Produtos
Além descascar a fruta, o aparelho retira a camada que consumimos. A lâmina que garante isso é afiada a laser, por isso é diferente de descascadores comuns. É uma peça que tem corte na lâmina e que descasca do tomate, ao tucumã, passando pela abóbora, que também é casca grossa”, garantiu o expositor José
Albuquerque Júnior.

O frutto auxilia no funcionamento do intestino, segundo o médico – Divulgação
Além do objeto dos sonhos dos amazonenses, itens de países de quatro continentes e de dez Estados brasileiros e do Distrito Federal estão em exposição na feira. Que tem ainda: tapetes persas, utilidades domésticas, joias, semi joias e biojoias de várias partes do mundo, incluindo a Amazônia, bijuterias, almofadas, jogos de cama, toalhas de mesa, lustres, louças da Turquia, especiarias, vestuário, redes, pedras semipreciosas, bolsas, móveis egípcios, europeus, amazônicos, cerâmica, objetos de madeira e osso, corais, pérolas, dentre outros artigos.
“A exposição contou com 70 estandes, mais de 120 artesãos, e o espaço é montado pela empresa genuinamente amazonense, Premiar Eventos. A feira é uma grande vitrine para o artesanato nacional e mundial que oferece oportunidades para o profissional revelar e escoar sua produção artística, além de ser uma expressão do comportamento das diferentes sociedades do mundo e o compartilhamento de suas culturas”, afirmam as coordenadoras da Mundial Art, Lenita e Lemacia Muniz

fonte: Jornal Amazonas Em Tempo 

Ibama ameaça cancelar pedido da Total para exploração de petróleo na Foz do Amazonas - Jornal Le Monde

Le Monde destaca que geólogos dizem que área pode contar até 14 bilhões de barris de petróleo in situ

Empresa francesa não apresentou relatório satisfatório sobre riscos ambientais


O jornal francês Le Monde publicou nesta quarta-feira (30) uma matéria onde afirma que a agência ambiental brasileira, Ibama, acabou de rejeitar o arquivo Total de licenças de perfuração offshore perto da foz da Amazônia.

Segundo a reportagem o órgão ambiental disse que já requisitou três vezes algumas informações técnicas sobre o projeto da Total e que ainda precisa entender como a petroleira faria para mitigar riscos ambientais na região.

Monde acrescenta que repetidas recusas do Ibama em aceitar os estudos ambientais da Total têm mantido em suspenso há anos a tentativa da companhia de explorar a Foz do Amazonas, uma área que alguns geólogos dizem que pode contar até 14 bilhões de barris de petróleo in situ.

O diário destaca que a Total liderou um grupo que inclui a britânica BP e a Petrobras na compra de cinco blocos de exploração na bacia em 2013, mas a descoberta de um enorme recife de corais a apenas 28 quilômetros dos blocos colocou em dúvida a aprovação ambiental para a exploração.


fonte: Jornal frances Le Monde - citado pelo Jornal do Brasil

INTEGRAÇÃO UFAM - UEA


Os jovens reitores Sylvio Puga, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), e Cleinaldo Costa, da Universidade do Estado do Amazonas (Uea), por fim selam parceria reclamada por professores, pesquisadores e comunidades estudantis do Estado há tempos. Nesse sentido, as duas entidades iniciaram, no último dia 21 de agosto, discussões sobre o estabelecimento de uma agenda propositiva em torno de esforços conjuntos visando traçar estratégias de atuação integrada no interior do Estado e potencializar parcerias com universidades internacionais.
Nota da Assessoria de Comunicação da Ufam informa que, dentre as propostas consideradas uma relaciona-se ao mapeamento dos cursos a serem implantados no interior do Amazonas de acordo com as vocações econômicas dos municípios. O estudo será seguido da elaboração de uma Carta de propostas a ser encaminhada ao governador do Estado, apontando a nova estratégia de ação direcionada ao interior.
De acordo com o reitor Cleinaldo Costa, o objetivo é criar novos cursos ajustados às vocações econômicas das calhas dos rios. Como agronomia, turismo e entretenimento, mineração e engenharia naval. Espero que nesse conjunto possam ser considerados tecnologias de pesca e industrialização do pescado, de óleos essenciais e de produção de alimentos, dadas as vastas potencialidades de exploração de palmeiras e frutas regionais, extrativas ou cultivadas.
Outro passo extraordinário será a inevitável inserção de nossa universidade e centros de pesquisa junto às estruturas instaladas e em pleno funcionamento na tríplice fronteira: Universidad Nacional de Colombia (UNAL) e o Instituto SINCHI, sedes Letícia, Colômbia, e ao conjunto Universidade-Instituto de Investigaciones de la Amazônia Peruana (IIAP), sede Iquitos, Peru.


Escritor e economista Osíris/Foto: Divulgação

Não só em relação à estruturação de mestrados e doutorados transnacionais, mas também no desenvolvimento de tecnologias de produção de alimentos, campo em que nossos vizinhos são fortes; na exploração sustentável da madeira e frutas tropicais, na conservação da biodiversidade e na exploração do vastíssimo potencial do ecoturismo da Amazônia sul-americana. Para tanto, a UEA conta com 17 doutores em Tabatinga, a Colômbia, 14, a Ufam, 17, e o Peru, cerca de 20. Um bom volume de especialistas para montar mestrados e doutorados interinstitucionais com nota máxima junto à Capes, salienta o pró-reitor de Extensão da Ufam, José Ricardo Bessa Freire.

Por outro lado, o reitor Sylvio Puga e a assessora especial de Relações Internacionais e Interinstitucionais da Ufam (ARII), professora Leda Brasil, reuniram-se com o diretor de Relações Internacionais, professor Harold Wright, e a coordenadora de programas acadêmicos da Pró-Reitoria de Ensino de Graduação, da UEA (Prograd), professora Simone Carvalho. O foco do encontro foi o projeto de criação de um modelo de intercâmbio de conhecimento caracterizado pela multidisciplinaridade de áreas conjuntas como, numa primeira etapa, saúde e educação.

O projeto deverá certamente se estender às universidades colombiana e peruana sediadas, respectivamente, em Letícia e Iquitos. Caberá às procuradorias jurídicas de cada entidade elaborar os termos das propostas de acordos a serem submetidos a discussões junto aos corpos docentes de ambas instituições.
A parceria Ufam-UEA não é nova. Data de 2012, quando foi firmado acordo de cooperação técnico-científica objetivando fortalecer o ensino, a pesquisa e a extensão. Em 2015, novo acordo, agora direcionado ao estágio curricular obrigatório e voluntário das duas universidades. Espera-se que a nova parceria logo abranja a estrutura de ensino-pesquisa-extensão da tríplice fronteira, de tal sorte que possa se traduzir em respostas concretas os anseios daquele estratégico centro em prol do desenvolvimento de tecnologias de exploração sustentável de setores da biodiversidade regional e viabilização da logística de integração econômica e mercadológica da Pan-Amazônia. (Por: OSIRIS SILVA - Manaus, 11 de setembro de 2017.)
Na oportunidade, parabenizo a inciativa do meu amigo Silvio Puga Reitor da UFAM e o Professor Cleinaldo Costa Reitor da UEA, pelo grandioso gesto, onde dão as mãos as duas instituições universitárias públicas mais importantes do Estado do Amazonas, que a partir dessa parceria, o conhecimento, o ensino, a pesquisa e a extensão terão muita a se desenvolver e a população de nossa região tem muito a ganhar! Parabéns pelo humilde e ao mesmo tempo grandioso ato! (Frank Chaves)
fonte: https://correiodaamazonia.com/integracao-ufam-uea-por-osiris-silva/

Caetano Veloso fala sobre massacre de índios no Amazonas

O cantor e compositor Caetano Veloso, publicou em suas redes sociais um texto sobre os indígenas 'flecheiros' que foram mortos em agosto deste ano no Amazonas. O crime aconteceu no rio Jandiatuba, afluente do rio Solimões, no município de São Paulo de Olivença (distante a 983 quilômetros de Manaus). 

Na publicação, Veloso afirma que os indígenas sofreram um ataque mortal, violento e covarde. “Um grupo de índios isolados que vivia numa floresta protegida no Oeste da Amazônia foi massacrado por mineradores ilegais da região no mês de agosto. Temer (Michel) tentou abafar a notícia porque esse governo não gosta dos brasileiros, mas ama o dinheiro das mineradoras que chegam em malas”, escreveu. 

Foto: Reprodução/Instagram-Caetano Veloso

O artista continua e diz que nem todos são covardes: “O Ministério Público Federal está investigando corajosamente esse massacre contra os índios da floresta. Chega de impunidade”.

Além disso, Veloso chama os internautas para participarem de uma manifestação que acontecerá em Brasília nesta terça-feira (12). O objetivo é entregar, no Salão Verde da Câmara dos Deputados, um documento com assinaturas e documentos em defesa da Amazônia.  
fonte: Portal Amazônia

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Refletindo sobre o 7 de setembro! Descubra fatos e atos que os tradicionais livros de história não costumam mostrar.




A independência do Brasil do Império Português, declarada em 7 de setembro de 1822, é um dos acontecimentos mais marcantes da história do País. Confira alguns fatos interessantes sobre o marco histórico.

Grito da Independência – A independência não ocorreu no mesmo dia em todo o País: apesar de o grito de independência ter sido em 7 de setembro de 1822, a totalidade do território brasileiro não ficou independente de Portugal de imediato. Diversas batalhas aconteceram em outros estados nos meses seguintes para expulsar tropas portuguesas.

Imagem relacionada

Grão-Pará No Pará e na província do Amazonas, a independência é comemorada no dia 15 de agosto: na então província do Grão-Pará e Maranhão, muito ligada a Portugal e sem muitas relações com o centro-sul do País, a independência foi reconhecida apenas em 15 de agosto de 1823, quase um ano após o grito. Os paraenses foram, portanto, os últimos a aderirem e, ainda hoje, comemoram o feriado em agosto.

Hino da Independência – A melodia do Hino da Independência do Brasil foi criada por Dom Pedro I. “Brava gente brasileira/longe vá temor servil/ou ficar a pátria livre/ou morrer pelo Brasil”, frases célebres do hino, foram escritas por Evaristo da Veiga em agosto de 1922, e o próprio Dom Pedro I musicou a obra. O imperador dedicava-se à música e sabia tocar diversos instrumentos.

Independência ou morte – O quadro de Pedro Américo somente foi pintado em 1888. Além de ter ficado pronto 66 anos após a independência, o artista modificou alguns detalhes. Historiadores indicam que a tropa não andava a cavalo, mas em burros, por exemplo.

A Capital – José Bonifácio, considerado o “Patriarca da Independência”, sugeriu a fundação de uma cidade central no interior do Brasil. À época da independência, a capital do País era o Rio de Janeiro (RJ). José Bonifácio de Andrada e Silva, ministro de Estado e consultor de Dom Pedro I, já sugeria que a capital brasileira fosse transferida para o interior, para reforçar a segurança, muito antes da fundação de Brasília. Com informações do Portal Brasil.



A verdade sobre a Independência do Brasil

Uma matéria especial para vocês sobre a Independência do Brasil!! Vocês sabiam que a nossa independência ela não é tão glamorosa como contam nossos livros de história?

(Quadro de Pedro Américo "Independência ou morte")

1- Dom Pedro I não proclamou a Independência do Brasil montado em um magnífico cavalo alazão.


Na verdade Dom Pedro montava uma mula, fora que, ele estava vestido como um tropeiro, não com um uniforme militar, e os dragões da Independência ainda não existiam. A guarda de honra, aquela que forma o semicírculo ao redor de Dom Pedro era formada por fazendeiros, cavaleiros e pessoas comuns das cidades do Vale do Paraíba, por onde o príncipe passara alguns dias antes a caminho de São Paulo. O quadro, de Pedro Américo na verdade, retrata a ideologia conservadora do fato, uma vez que foi feito a pedidos de políticos do partido conservador no auge da crise da monarquia do país.

2- Dom Pedro não estava em um de seus melhores dias no dia do “grito da independência”

O coronel Marcondes, futuro Barão de Pindamonhangaba, registrou em suas memórias que D. Pedro estava com dor de barriga devido a algum alimento estragado que havia comido no litoral paulista ou bebeu água contaminada das bicas que abasteciam as tropas. O fato é que, neste momento histórico, Dom Pedro estava com disenteria. durante a subida, ele parou na casa de Maria do Couto que lhe ofereceu um chá de goiabeira para aliviar a dor e acabar com a diarreia, era um remédio ancestral usado no Brasil contra diarreia..


3 - O quadro de Pedro Américo é suspeito de ser um plágio

Dizem que o famoso quadro de Pedro Américo é muito parecido com o de Napoleão em Friedland, de autoria do pintor francês Jean Louis Messonier e exposta atualmente no Metropolitan Museum de Nova York. Os dois quadros são quase idênticos, mas o de Messonier é mais antigo que o de Pedro Américo.

(Quadro de Messonier, "Freidland")

4- O Hino da Independência não foi composto em 7 de setembro de 1822


D. Pedro I era de fato um músico talentoso, capaz de fazer composições de qualidade, ainda assim, seria impossível que ele no intervalo de apenas cinco horas, entre o Grito do Ipiranga e as celebrações noturnas em São Paulo, tivesse composto e ensaiado um hino de estrutura bastante complexa como o da Independência. O hino já estava pronto e Dom Pedro já teria partido do Rio de Janeiro com a música que seria executada àquela noite.

5- O Brasil não deixou de ser colônia de Portugal no dia 7 de setembro de 1822

Naquela época, uma viagem de navio entre o Rio de Janeiro e Lisboa demorava cerca de dois meses, o que significa que as notícias a respeito do 7 de setembro de 1822 só chegaram a Portugal em novembro de 1822. A reação foi imediata. Os portugueses se mobilizaram para enviar mais tropas ao Brasil e tentar dominar pela força os adeptos da Independência. A guerra só foi terminar em novembro de 1823.


6- A Independência do Brasil não foi um processo pacífico

Como dito na curiosidade anterior (a quinta), os portugueses enviaram o quanto antes tropa para o brasil para tentar dominar a todos que fossem adeptos a independência, Segundo cálculos dos historiadores, morreram cerca de cinco mil pessoas nos confrontos entre portugueses e brasileiros, o que desmente também um outro mito que a Independência brasileira teria sido um processo pacífico, resultado de uma negociação entre pai e filho, ou seja, D. João VI e D. Pedro. Isso não é verdade. Muita gente pegou em armas e morreu defendendo a autonomia do Brasil, especialmente na Bahia e nos outros estados do nordeste.
O Brasil teve que pagar pela Independência e apesar de a guerra ter acabado em novembro de 1823, Portugal só reconheceu a Independência do Brasil em 1825, e isso depois de pagar uma indenização de dois milhões de libras. Com parte desse valor, Portugal cobriria alguns dos gastos para impedir que o Brasil se tornasse uma nação independente. Depois de ganhar a guerra caberia aos brasileiros ressarcir os prejuízos dos adversários derrotados,


E aí, o que você achou da versão mais próxima da verdade da história?



fontes: 
http://www.cenariomt.com.br/2017/09/02/independencia-do-brasil-tem-fatos-pouco-conhecidos/
diariodequaseadulta.blogspot.com.br/2016/09/a-verdade-sobre-independencia-do-brasil.html
https://www.youtube.com/watch?v=RKyiSqiFkFM

domingo, 3 de setembro de 2017

Bispo Don José Ionilton visita a Academia Itacoatiarense de Letras


Nesta sexta 01 de setembro, recebemos a visita do Bispo Don José Ionilton, que veio conhecer a Academia Itacoatiarense de Letras. Tivemos a honra de receber a visita do nosso bispo Dom José Ionilton. Simpaticíssimo, carismático e muito atencioso e prestativo! Nossa cidade ganhou muito com sua vinda para cá! Fizemos um acordo de parceria informal com a Prelazia na divulgação e realização de nossos eventos culturais. Foi uma tarde muito agradável, conversamos sobre diversos temas, sobre cultura, história e religião. Ele transmite uma humildade, serenidade e paz incrível. Mas também demonstrou - se muito simpático as causas sociais e as lutas pela democracia e pelos direitos do cidadão. Em vários aspectos lembra do estilo Don Jorge. Agradeço também aos acadêmicos: Ester Figueiredo Araujo Araujo, Antonio Valdinei, Sílvia Aranha e Guilherme Fernandes, por estarem presentes recepcionando nosso emérito bispo

sábado, 2 de setembro de 2017

Participe do CONPOMUVI - 2017, hoje as 18h na quadra do Vital de Mendonça

A imagem pode conter: texto

Depois das belíssimas apresentações de Poesia e Pontas do avesso, fique por dentro da programação de hoje (02/09) do CONPOMUVI 2017

18h00 - Abertura do evento 
18h30 - show ao vivo com a banda AB 15
19h15 - concurso DEBOSHOW de CALOUROS 
19h45 - concurso de Paródias 
20h30 - concurso de Músicas 
21h15 - premiação 
21h30 - Dj Marcos Mendonça 
22h00 - encerramento

Local: ginásio poliesportivo da escola Vital de Mendonça 
Ingresso - R$ 3,00
Mesa - R$ 10,00

Convide sua família, amigos e venha prestigiar o nosso evento!

Consulta de opinão

ALBUM DE ITACOATIARA