domingo, 26 de abril de 2015

Aniversário de Itacoatiara, fecha balanço com boa participação do público nos eventos públicos culturais e desportivos, todavia em outro contexto, aconteceram atos de vandalismo e violência em outros setores da sociedade.













 
Comemoração de aniversário da cidade em debate
A Prefeitura de Itacoatiara promoveu vasta programação cultural e esportiva para comemorar os 141 anos de emancipação política do município, que foi bastante prestigiada pelo público local. Já o Poder Legislativo, por sua vez, fez uma sessão especial para discutir a mudança da data do Aniversário da Cidade, que teve baixa

participação popular. Talvez pela falta de interesse no assunto, ou até mesmo como forma de resistência ao tema em discussão. O fato que o debate se encerrou, e prosseguiu nas redes sociais, com calorosas discussões sobre o tema em questão. E pelo calor do debate, e pela relevância do assunto, certamente ainda vai se prolongar por um bom tempo esta discussão, haja visto que não se pode simplesmente decretar a mudança da data do aniversário de uma cidade de uma hora para outra, sem levar em conta, toda a tradição cultural, com a apresentação de documentação oficial que balize a firmação da ideia, tudo isso precedido de um amplo debate com toda a sociedade local, com a importante participação e parecer da comunidade científica, para depurar todas as nuances sobre a questão.

A final, depois de quase dois séculos, mudar a data de comemoração de aniversário da cidade, não é tarefa fácil, há muita quebra de paradigmas em questão, muita mais que a própria vontade institucional de promover as mudanças necessárias para a melhoria da qualidade de vida do povo itacoatiarense, que não vai ser resolvida, com uma simples troca de nome ou data, e sim com ações concretas no campo do desenvolvimento de políticas públicas eficazes, para promover o desenvolvimento econômico e social da cidade. E isso não se cria por decreto, nem tão pouco com uma audiência pública, é através de projetos com embasamentos técnicos, de médio e longo prazo, que isso vai ter mais chance de alcançar de ter êxito.

Há falta de políticas públicas para promover atração de investimentos industriais para o município, pois esse setor gera bastante emprego, também de igual modo, se faz necessária ações para fomentar o comercio local, em todos os setores, pois só assim se pode fomentar a geração efetiva de emprego e renda, que tanto está sendo escassa no município, O Plano diretor da cidade está desatualizado desde 2006, o código de postura do município está desatualizado desde 1991, de igual forma, outros instrumentos jurídicos que primam pela organização urbana e social da cidade estão desta forma, e ficam relegados a segundo ou a último plano, em contra ponto com a ideia simbólica de mudar a data de aniversário da cidade. Por esses motivos, vemos que temos pouco a comemorar, se os velhos problemas, como fornecimento regular de luz elétrica, serviços bancários, a manutenção da estrada AM-010, a melhoria dos serviços de segurança pública, os péssimos serviços de telefonia celular e internet continuam latentes. Sem ser muito pessimista, é lógico que ao longo desses 141 anos de emancipação política, houveram vários avanços significativos, porém, como já disse, velhos problemas continuam sem solução, e que uma vez resolvidos, vão de fato e de direito repercutir diretamente no dia a dia das pessoas.


Bandidos promovem assalto na casa de Deus e cometem assassinato cruel no abrigo dos agricultores, derramando sangue no mesmo dia da festa de aniversário do município.
 
O assalto da Catedral
Nem mesmo a casa do Senhor foi dispensada da ação incólume dos facínoras do crime de Itacoatiara, pois entre a véspera e o aniversário da cidade, meliantes entraram no salão paroquial da Catedral da cidade, e subtraíram vários ventiladores de parede da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, bem como, outros pertences da referida instituição religiosa. Vale ressaltar, que segundo informações de populares, que essa não é a primeira vez que ocorre furto nesta igreja e nas demais da Prelazia de Itacoatiara. Essa situação não pode se tornar rotineira no município, algo tem que ser feito para colocar um basta nisso.

 





O assassinato no abrigo de agricultores

A bandidagem está cada vez mais crescente e violenta na cidade, tanto que causou uma vítima fatal em pleno aniversário da cidade. Isto prova como vai a qualidade da segurança pública no município. Onde idosos são assaltados com frequência e até levados a óbito, como foi o caso de Dona Rosalva, que foi provavelmente assaltada, e brutalmente assassinada. Pois na manhã deste dia 25 de abril, a líder comunitária rural foi encontrada morta, no prédio da antiga Mesa de Rendas do Município, que já a um bom tempo serve de abrigo para o produtor rural de Itacoatiara.
 
 

A Senhora Rosalva Moreira da Silva de 69 anos, e era residente na Ilha do Soriano e estava instalada momentaneamente no abrigo público, onde foi cruelmente assassinada. Na manhã deste sábado, onde a vítima foi encontrada morta com um facão no pescoço. Isso é um absurdo, a nossa cidade que era tão pacata e ordeira, por obra do crescente número de violência e roubos causados por marginais do município, bem como, pela ineficácia da segurança pública e da justiça local, brindaram o natalício da cidade com esses lamentáveis episódios.

sábado, 25 de abril de 2015

PARABÉNS ITACOATIARA



Hoje a cidade de Itacoatiara comemora oficialmente os seus 141 anos de elevação a categoria de cidade, conforme estabelece a Lei Provincial Nº 283 de 25 de abril de 1874. Na oportunidade, manifesto minhas paganizações a toda comunidade itacoatiarense, a todas aqueles e aquelas que alicerçaram e constroem a cada dia, uma das melhores cidades para se viver neste país. Onde reina a tranquilidade e a vontade premente de sua população em ter um presente e um futuro promissor. Nesse contexto, rendo minhas homenagens em especial a pessoas mais comuns até a mais graduada de nossa cidade, desde os antigos carregadores e carroceiros, que por muito tempo carregaram sobre seus ombros a economia da cidade, dos porões dos navios para as antigas casas comerciais e vice-versa. Também não posso deixar de mencionar os agricultores e pescadores, que com muito esforço e suor, vem colocando alimento em nossas mesas. Dos padeiros, que desde priscas eras, vem fornecendo o nosso pão de cada dia. Dos pedreiros e carpinteiros, que desde a fundação da Vila se Serpa em 1759, vem edificando a cidade, com as primeiras casas feitas de madeira e taipa de barro e que agora continuam erguendo e expandindo nossa cidade em concreto armado. Aos bons representantes políticos, que ao longo da história da cidade, se preocuparam menos, em mudar nomes de ruas, praças e datas comemorativas e a fazerem entregas de títulos e medalhas para satisfação pessoal, e que ao contrário disso tudo, deixarem registradas suas passagens pelo cenário político local, deixando de herança, rastros reais de desenvolvimento e leis que de fato tenham trazido a melhoria da qualidade de vida do nosso povo, como a construção de estradas, escolas, hospitais, promovido a instalação de indústrias, construção de portos e aeroporto e sobre tudo, da criação do plano de organização urbana da cidade, como o código de posturas e mais recentemente, o plano diretor. Por terem criados leis, que de forma mais objetiva e concreta, que venham a beneficiar o dia a dia do cidadão itacoatiarense. Dentre outros profissionais de valor, destaco a contribuição dos professores, que na época da fundação da então Vila de Serpa, apresentaram as primeiras letras para os nossos pioneiros habitantes, cuja função estava designada aos antigos missionários religiosos, que neste torrão, realizaram a primeira missa, apresentando o Deus único aos nossos primeiros habitantes, que na maioria eram índios, cuja função, depois da estruturação do primeiro núcleo urbano, passou a ser desempenhado pelas nossas professoras e professores, que desde então, tem dado tudo de sí, para tirar Itacoatiara da ignorância social e política, para abrir caminhos para a cidadania plena dos nossos munícipes. Parabéns a toda comunidade itacoatiarense, que merece o nosso aplauso pela sua luta em prol do progresso de nossa cidade.

domingo, 19 de abril de 2015

O Ministério Público e a defesa do Patrimônio Histórico


Patrimônio Histórico e Cultural


Artistas amazonenses respeitam a diversidade e homenageiam as comunidades indígenas

Anísio Melo - Manaus (Itacoatiara-AM)



Bosco Ladislau - Manaus-AM

"AMAZÔNIA, ATÉ QUANDO?"


Bráulio Menezes - Itacoatiara (Maués)
 


Francimar Barbosa - Manaus
Ritual do nascimento


Ritual do casamento


Ritual das máscaras


Pedro Farias Júnior - Parintins



Roland Stevenson - Manaus (Santiago/Chile)











Rui Machado - Manaus-AM









Teo Braga - Itacoatiara-AM
Foto de Téo Braga.







Conselho Municipal de Cultura publica edital de convocação para eleição

comculturaedital (2)

O Conselho Municipal de Cultura (Concultura) se prepara para a eleição de seus novos membros, votação que acontece no próximo mês, em Manaus. Este ano, a eleição irá funcionar da mesma forma que é feita nas eleições do Executivo e Legislativo: com direito à urna eletrônica e coordenação do Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Com a publicação do edital, começa a fase de cadastro dos eleitores e entre os dias 24 e 30 de abril, os candidatos devem comparecer à sede da Manauscult, na avenida André Araújo, Aleixo, para preencher o formulário. Para participar do pleito, eleitores e candidatos devem comprovar que possuem no mínimo três anos de experiência na área artística, por meio de contratos de trabalho, matérias de jornal, certificado de curso superior, etc.

Para os candidatos, é necessário levar também: certidão de antecedentes criminais, certidão de quitação junto à Justiça Eleitoral e uma foto no tamanho passaporte (7×5 cm). Esses são requisitos de admissão para a candidatura. A eleição acontecerá no dia 22 de maio na Biblioteca Municipal João Bosco Evangelista, no Centro, e o resultado será publicado na primeira semana de junho. A posse dos oito novos conselheiros (um por segmento artístico) acontece no dia 1º de julho.

Segundo o presidente do Conselho, Márcio Souza, o trabalho do conselheiro exige conhecimento de diversas modalidades dentro do mesmo segmento e dedicação para conseguir pensar a cultura como um todo. “O Conselho não é igual à Câmara Municipal, onde eles criam as leis. E também não somos os responsáveis por promover festivais folclóricos. Nosso trabalho vai muito além disso. É trazer de volta uma cultura que há muito tempo foi deixada de lado e esquecida pela população. É um resgate cultural por meio do debate de problemas ligados à essa área”, afirmou Márcio Souza. A referência é ao projeto “Memória Reencontrada”, cujo intuito é resgatar a produção cultural do passado com o restauro de filmes clássicos do cinema amazonense. A publicação de dois livros de mitologia indígena e um sobre a contribuição dos italianos para a cultura do Amazonas estão entre os trabalhos desenvolvidos pelo conselho.

O edital será disponibilizado no endereço eletrônico manauscult.manaus.am.gov.br e na sede da ManausCult (av. André Araújo, n° 2767, Aleixo).
 
fonte: Reportagem: Leonardo Fierro - Fotos: Arlesson Sicsú

Consulta pública para atualizar o Plano Municipal de Cultura



Plano Municipal de Cultura - PMC - em Pauta

Participe da elaboração do Plano Municipal de Cultura/Manaus (PMC), enviando sua colaboração para os endereços abaixo ou clique aqui:

1) E- mail: nucleoexecutivo.pmc@pmm.am.gov.br , ou
2) Fundação Municipal de Cultura e Artes/ Diretoria de Projetos
Avenida André Araújo, nº 2767 – Aleixo – Manaus/Amazonas.



Por ser um elemento integrador de um povo, a Cultura deve estar na pauta política e no cenário nacional. Atuando com seu potencial de unificação, identidade, criatividade e diversidade, a cultura é essencial para a formação e o desenvolvimento individual e social, desencadeando processos de geração de emprego e renda quando aliada a produção, difusão, valorização do patrimônio e fomento ao turismo. Aliada à educação, a cultura é um poderoso instrumento de transformação e de inclusão social, em qualquer tempo e lugar. Esse é o pensamento e tem sido a luta do Conselho Municipal de Política Cultural (CONCULTURA) de Manaus.


Fundo Municipal de Cultura
A lei n° 710, de 03 de setembro de 2003, instituiu em seu Artigo 1°, em caráter permanente e vinculado diretamente ao Chefe do Poder Executivo, o Fundo Municipal de Apoio à Cultura Artística como órgão deliberativo, normativo e consultivo no âmbito das atividades culturais e artísticas em Manaus.

Da mesma forma como, em seu Artigo 2°, estabeleceu que os recursos do Fundo Municipal de Apoio à Cultura Artística serão administrados por um Conselho Gestor e será presidido pelo Presidente do Conselho Municipal de Política Cultural.

O Artigo 4° da referida lei dispõe que os recursos financeiros do Fundo Municipal de Apoio à Cultura Artística poderão ser oriundos de recursos do Tesouro Municipal, de contribuições e subvenções de instituições financeiras e empresas privadas, de doações e patrocínios, recebidos de pessoas físicas ou jurídicas sediadas no País ou no exterior, de convênios firmados com organismos internacionais, de transferências correntes da Fazenda Pública do município de Manaus. provenientes de outras fontes.

Entre as principais ações realizadas pelo Conselho Gestor do FMC destacam-se a realização dos Seminários Municipais de Cultura, a participação na 1ª Conferencia Nacional de Cultura e a realização dos Prêmios Literários Cidade de Manaus.
 
Colabore com a Cultura Municipal

 

19 DE BRIL - DIA DO INDIO

Dia Do índio

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Prefeitura de Itacoatiara apresenta programação alusiva ao 141º Aniversário de Itacoatiara



 

Itacoatiara é uma cidade festiva por natureza, mas em abril, a cidade da Pedra Pintada tem motivos especiais para festejar. É que no dia 25, é comemorado o aniversário de Itacoatiara, e ela completa 141 anos. A cidade será tomada por vários festejos e celebrações que misturam diversão e cultura na medida certa. Haverão atrações musicais, sorteios de brindes, show de paraquedismo, torneio de futebol, momento cívico entre outras mais. A celebração durará 4 dias e, para o bem de todos, a programação está bastante eclética. O Aniversário é da Cidade, mas quem ganha o presente é o você.


ASCOM - Prefeitura de Itacoatiara - Trabalhando para o Povo
 

quarta-feira, 15 de abril de 2015

O jornal inglês The Guardian trouxe uma linda matéria sobre a história e a beleza do Teatro Amazonas, em Manaus.

After years of neglect, the theatre was finally ready to reopen in 1990 – only to shut again two weeks later. Photograph: Odyssey-Images/Alamy
The rubber ‘crash’ saw the Amazon Theatre close its regular operations in 1924. Photograph:
Paul Popper/Popperfoto/Getty Images
O texto faz parte de uma série de reportagens intitulada “A história de cidades em 50 prédios” e traz fotos da construção do Teatro iniciada em 1881 e inaugurado em 1896.

Na noite de 7 de Janeiro de 1897, uma grande multidão de pessoas lotaram novo marco de Manaus: o Teatro Amazonas. A multidão estava tonto de emoção, e de forma compreensível. Poucas cidades em qualquer lugar do mundo tinha feito a construção de um teatro - neste caso, uma que levou quase 20 anos para terminar - tão central para as suas aspirações de grandeza urbana. E alguns teatros, nem mesmo muitos dos grandes salas de concerto da Europa, poderia rivalizar com design opulento da Amazônia. No programa naquela noite foi uma produção da ópera do compositor italiano Amilcare Ponchielli La Gioconda. Mas, igualmente de interesse para os cidadãos Manaus foi o próprio teatro: suas ornamentadas assentos e iluminação elétrica; seus murais complexos homenageando compositores de Mozart e Beethoven ao Carlos Gomez brasileira; e seu condicionamento pródiga na cortina do palco representando um marco natural local, na confluência do Rio Negro e Solimões para formar o poderoso rio Amazonas. Pelos padrões da época, era um teatro totalmente moderno, oferecendo uma fatia de belle-époque excesso aos residentes locais. Mas sua existência era bastante improvável. Manaus foi fundada como uma fortaleza construída pelos colonos portugueses, principalmente para se defender de ataques de invasores holandeses do norte, no que é hoje Suriname. A localização foi estratégica, colocada na reunião de dois afluentes principais da Amazônia, oferecendo acesso rápido por barco sobre as águas profundas do rio. Mas a densa floresta tropical na área era de difícil cultivo, deixando a cidade isolada - 1,000 milhas para o interior da boca do rio - com pouca razão para se expandir. Eventualmente, a cidade encontrou uma razão para crescer. A floresta amazônica sempre teve uma abundância de árvores de borracha, mas foi só no final do século 19 que usos práticos foram descobertos para a planta. E uma vez que eles estavam, a demanda por borracha da região cravado.

Para os colonos europeus da cidade, ainda uma parte do império de Portugal , este boom da borracha marcou o início de uma nova onda de prosperidade. Foi muito menos benéfica para os habitantes indígenas da Amazônia : muitos foram coagidos a trabalhos forçados cultivar látex das seringueiras selvagens , muitas vezes trabalhando como escravos em condições miseráveis ​​e espancados ou mortos se eles não conseguiu trazer nada de volta . O boom começou devagar na década de 1870 e não chegou a seu ápice até 1900. No entanto, logo ficou claro que a cidade - que havia se expandido pouco desde seus fundadores séculos como uma fortaleza - precisaria de uma estratégia clara para lidar com o fluxo de residentes. Uma série de reformas foram feitas, incluindo a instalação de luz elétrica , conexões limitadas a água corrente, e a pavimentação de algumas ruas com paralelepípedos.

Mas as ambições da cidade durante a década de 1880 foi além de simplesmente fornecer serviços básicos. Os membros da legislatura provincial imaginou um teatro monumental que elevaria o status de Manaus a partir de posto avançado rural para o centro regional, e em 1881 eles reservar fundos para a compra de terras para o teatro. Na verdade, o local para o teatro não foi liquidado em até três anos mais tarde; só então eram fundos para a construção do edifício aprovado. Enquanto a cidade continuou a crescer, em 1889, os líderes do país, no Rio de Janeiro dissolveu o império do Brasil, substituindo-a por uma nova república. Isso promoveu o boom em Manaus e no estado do Amazonas, onde carismático governador Eduardo Ribeiro viu reformas urbanas em Manaus como central para todo o estado. Seu plano para a cidade incluiu a criação de amplas avenidas, bondes, praças elegantes e fontes, criando uma paisagem urbana moderna no centro da cidade. Planos se baseou fortemente na iconografia da Europa, levando alguns a alcunha da cidade "a Paris da selva". No entanto, nem todas as áreas da cidade beneficiaram deste plano. Como o historiador Francisca Deusa observou: "A população da classe trabalhadora de Manaus foi segregado para as bordas exteriores da cidade." Para cimentar seu legado, Ribeiro focados na conclusão do Teatro Amazonas, que tinha parado sob governos anteriores. Materiais de todas as partes do mundo foram trazidos: aço da Inglaterra, mármore da Itália, telhas da França. O design exterior pelo arquiteto italiano Celestial Sacardim, com colunas ornamentadas e uma rotunda central estampada com o desenho da bandeira recém-formados da república brasileira, deu o edifício o seu aspecto distinto. Mas o nível de detalhe dado ao artwork interior, supervisionado pelo artista Crispim do Amaral, é quase igualmente importante para o edifício.

Ribeiro viu seu tempo no escritório como um sucesso, proclamando: ". Eu comecei com uma vila e é feita em uma cidade moderna" No entanto, apesar de seus esforços, ele não foi capaz de abrir o teatro antes de seu mandato terminou em 1896. Para as próximas décadas, o teatro foi um sucesso, atraindo companhias de ópera de grandes nomes da Itália e em toda a Europa. O edifício em si, visível da maioria da cidade central, devido à sua localização elevada e colocação de destaque perto da praça São Sebastião, tornou-se um marco importante. Durango Duarte, autor do livro Manaus: entre passado e presente, o chama de "o símbolo cultural mais importante de todo o estado". Muitos moradores protestaram na reabertura do teatro, gritando: 'O povo paga por essa abertura, mas são deixados de fora ". No entanto, o boom que havia sustentado a cidade estava chegando ao fim. Sementes para seringueiras haviam sido contrabandeados para fora do Brasil por um comerciante Inglês em 1876, e, eventualmente, as plantações de borracha foram estabelecidas em territórios britânicos no Sri Lanka e na África, onde as árvores mostrou-se mais produtivo. Este aumento da produção da borracha brasileira, puxando a ficha sobre estilo de vida decadente de Manaus. O Teatro Amazonas foi duramente atingida pela crise, fechando operações regulares em 1924. A cidade continuou a manter o prédio, que eventualmente se tornou um marco histórico nacional em 1966, mas raramente foi aberto aos visitantes.

Manaus perdeu a maior parte de seu charme do velho mundo. Os parques públicos caiu em desuso, o sistema de bondes deteriorado e foi fechado, e muitas das casas de luxo construído no centro da cidade foram abandonadas. A maioria das pessoas que foram capazes de deixar o fez, e a divisão de classes que tinha sido um problema para a cidade, mesmo durante os tempos de bonança piorou. Depois de décadas de abandono, o interesse em reviver o Teatro Amazonas finalmente pegou graças a uma fonte improvável: um filme. 1982 O filme de Werner Herzog Fitzcarraldo apresenta um concerto no Teatro Amazonas. Sua popularidade trouxe os olhos do mundo de volta ao teatro fábula de Manaus. Por esta altura, a cidade não está mais em tais condições financeiras terríveis era. A produção de borracha nunca recuperou a sua posição na economia da região (embora ele desfrutou de um breve pico durante a segunda guerra mundial), mas a declaração de Manaus como uma zona de livre comércio local e incentivou o desenvolvimento de novas indústrias. Coricancha, templo dos Incas do sol: a história das cidades em 50 edifícios, dia 3 Leia mais Após anos de negligência, o teatro estava finalmente pronto para reabrir em 1990. No primeiro concerto, a cena tinha alguma semelhança com a abertura inicial do teatro cerca de 100 anos antes - mas em vez de elites locais, o teatro estava cheio de turistas da Europa ocidental e os Estados Unidos, atraídos pela recente notoriedade internacional do teatro. Muitos moradores de Manaus, em vez optou por protestar contra a abertura, gritando: "O povo paga para essa abertura, mas as pessoas são deixadas do lado de fora!" Propaganda Ele provou ser uma falsa partida: duas semanas mais tarde, o teatro, mais uma vez teve de encerrar devido à reação pública, e não foi até 1997 que o teatro retomada horários dos concertos regulares. A criação de uma orquestra filarmônica permanente em Manaus nesse mesmo ano manteve performances acontecendo no local, e ajudou-o a construir uma reputação como um centro para a música clássica. Hoje, Manaus é atormentado pelas mesmas divisões que marcaram a cidade desde seus primórdios. É a casa brilhando novos monumentos como a ponte estaiada elegante (a única ponte no sistema rio Amazonas), e um novo estádio de futebol usado para a Copa do Mundo de 2014. No entanto, mais de 25% dos moradores da cidade vivem em favelas pobres, de acordo com uma estimativa de 2012 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mas o Teatro Amazonas, cujos interiores uma vez a ostentação incorporada que dividir, ainda pode ser parte da solução. A sua localização central faz com que seja muito mais acessível do que o novo estádio para moradores sem carros, e seus programas de extensão buscam trazer atividades culturais para os moradores de Manaus. 
Manaus perdeu a maior parte de seu charme do velho mundo. Os parques públicos caiu em desuso, o sistema de bondes deteriorado e foi fechado, e muitas das casas de luxo construído no centro da cidade foram abandonadas. A maioria das pessoas que foram capazes de deixar o fez, e a divisão de classes que tinha sido um problema para a cidade, mesmo durante os tempos de bonança piorou.

Depois de décadas de abandono, o interesse em reviver o Teatro Amazonas finalmente pegou graças a uma fonte improvável: um filme. 1982 O filme de Werner Herzog Fitzcarraldo apresenta um concerto no Teatro Amazonas. Sua popularidade trouxe os olhos do mundo de volta ao teatro fábula de Manaus.

Por esta altura, a cidade não está mais em tais condições financeiras terríveis era. A produção de borracha nunca recuperou a sua posição na economia da região (embora ele desfrutou de um breve pico durante a segunda guerra mundial), mas a declaração de Manaus como uma zona de livre comércio local e incentivou o desenvolvimento de novas indústrias.
 
Após anos de negligência, o teatro estava finalmente pronto para reabrir em 1990. No primeiro concerto, a cena tinha alguma semelhança com a abertura inicial do teatro cerca de 100 anos antes - mas em vez de elites locais, o teatro estava cheio de turistas da Europa ocidental e os Estados Unidos, atraídos pela recente notoriedade internacional do teatro. Muitos moradores de Manaus, em vez optou por protestar contra a abertura, gritando: "O povo paga para essa abertura, mas as pessoas são deixadas do lado de fora!"

Ele provou ser uma falsa partida: duas semanas mais tarde, o teatro, mais uma vez teve de encerrar devido à reação pública, e não foi até 1997 que o teatro retomada horários dos concertos regulares. A criação de uma orquestra filarmônica permanente em Manaus nesse mesmo ano manteve performances acontecendo no local, e ajudou-o a construir uma reputação como um centro para a música clássica.

Hoje, Manaus é atormentado pelas mesmas divisões que marcaram a cidade desde seus primórdios. É a casa brilhando novos monumentos como a ponte estaiada elegante (a única ponte no sistema rio Amazonas), e um novo estádio de futebol usado para a Copa do Mundo de 2014. No entanto, mais de 25% dos moradores da cidade vivem em favelas pobres, de acordo com uma estimativa de 2012 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Mas o Teatro Amazonas, cujos interiores uma vez a ostentação incorporada que dividir, ainda pode ser parte da solução. A sua localização central faz com que seja muito mais acessível do que o novo estádio para moradores sem carros, e seus programas de extensão buscam trazer atividades culturais para os moradores de Manaus.
 
 
fonte: Jornal Theguardian -
 

terça-feira, 14 de abril de 2015

Aluno compõe uma música de protesto

Estevão toca oito  tipos de instrumentos, fez sucesso com o cavaquinho, mas diz que o forte mesmo dele é a bateria
Estevão toca oito tipos de instrumentos, fez sucesso com o cavaquinho,
mas diz que o  forte mesmo dele é a bateria (Euzivaldo Queiroz)
 
Em Iranduba, menino faz música relatando a rotina sofrida que alunos enfrentam para estudar
 
Cansado de faltar aulas e perder  provas por causa das condições precárias do transporte escolar da zona rural do Município de Iranduba (a 27 quilômetros de Manaus), o estudante Estevão de Andrade, de 12 anos, aproveitou seu  talento musical para compor uma música de protesto relatando a sofrida rotina que os alunos da Escola Municipal Dona Mieko, na estrada do Caldeirão, enfrentam  para estudar.
Ele mora a cinco quilômetros da escola e acorda diariamente sem a certeza de que conseguirá assistir aula. A viagem que dura cerca de dez minutos desde o ramal Monte Castelo - onde o estudante mora - até o colégio,  muitas vezes é interrompida na metade do caminho.
“Todo dia, principalmente quando chove, a preocupação de todos que moram nos ramais é se o ônibus vai passar. Ninguém sabe. Às vezes o ônibus tá subindo uma ladeira e ‘dá prego no motor’. Sempre ficamos esperando e o ônibus não passa. Muita gente perde aula por causa disso”.
Estevão está no 7º ano do Ensino Fundamental e conta que pelo menos 30 crianças do ramal onde ele mora dependem do transporte escolar. Além disso, o ônibus também atende estudantes dos ramais Minas Gerais, do Areal, do ‘13’ e do ‘14’ e da estrada do Jandira.
“Eu espero que depois dessa repercussão o prefeito nos atenda. Se eu pudesse falar com ele eu pediria para trocarem os ônibus, pois o ônibus velho aguenta muito menos que um novo. E se puder, também vou pedir para asfaltarem nossos ramais”.
 
A música
Estevão compôs a música com a ajuda da mãe, a produtora rural Lialdeci de Andrade, 32 . “Eu ia cantando e ela escrevia para eu não esquecer a letra. Ela me ajudou com alguns versos e a outra metade da música eu terminei na escola. Quis pedir a opinião dos meus colegas para saber o que eles gostariam de reivindicar”.
Além do cavaquinho, o estudante toca outros oito instrumentos. Sem acesso à internet, o pequeno músico aprendeu a tocar os instrumentos sozinho. “Meu forte é a bateria. Minha mãe conta que quando eu tinha três anos ficava batucando as latas de leite. Mas há três anos meu avô, que toca violão, me deu um cavaquinho de presente. Eu pedi para ele me ensinar e ele disse que não podia porque eram instrumentos diferentes. Mas eu olhava ele tocando e tentei as mesmas notas no meu instrumento e assim aprendi”.
 
Ônibus sem monitores
A produtora rural Lialdeci de Andrade, 32, comentou sobre a aflição das mães em relação ao transporte escolar. “Meu filho já andou mais de dois quilômetros para voltar para casa porque o ônibus quebrou.  A diretora passou a liberar os alunos às 16h30 por medo de escurecer e eles ficarem na estrada sem terem como voltar”.
Segundo ela, as mães se revezam como monitoras de transporte escolar. “Todo dia uma mãe acompanha as crianças e depois volta de mototáxi”.
Além disso, a construção da quadra poliesportiva da escola está atrasada. As obras iniciaram em março do ano passado e deveriam ser concluídas em junho. O prefeito de Iranduba, Xinaik de Medeiros, informou que a obra é uma parceria do município com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). “O governo federal não repassou o restante da verba para a construção”. Ele afirmou, ainda, que a troca dos ônibus será feita imediatamente.
 
Viral
O vídeo ‘viralizou’ na internet e até o início da tarde de ontem tinha mais de 70 mil visualizações. O pai do estudante, Joaquim Carvalho, 59, comentou sobre a repercussão. “Ele está vendendo ‘biribás’ em frente de casa para comprar um celular e aproveita para tocar a música dele. Alguma pessoa gravou e quando percebemos, já estava fazendo sucesso”.
 

 


Cansado de faltar aulas e perder  provas por causa das condições precárias do transporte escolar da zona rural do município de Iranduba, distante 27 quilômetros de Manaus, o estudante Estevão de Andrade, 12, aproveitou seu  talento musical para compor uma música de protesto relatando a sofrida rotina que os alunos da Escola Municipal Dona Mieko, na estrada do Caldeirão, enfrentam  para estudar.


fontes:
Jornal acrítica - LUANA CARVALHO e:
http://acritica.uol.com.br/manaus/Aluno-compoe-musica-protesto-Cotidiano-protesto-escola-aluno-Iranduba_3_1338496141.html
https://www.youtube.com/watch?v=e5UAUkRQ9_4
https://www.facebook.com/robson.adriel

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Diretor da Odebrecht pagou ‘voo sigiloso’ de Lula para Cuba em 2013

Alexandrino Alencar, que fez parte da comitiva, é citado por delatores da Lava-Jato como operador de propinas

por - O GLobo


O Globo / Editoria de Arte


SÃO PAULO — O atual diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, Alexandrino Alencar, levou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em um périplo por Cuba, República Dominicana e Estados Unidos, em janeiro de 2013. A viagem foi paga pela construtora e, oficialmente, não tinha relação com atividades da empresa nesses países.

Lula foi a um evento da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) sobre o clima, visitou o presidente da República Dominicana e falou no congresso de trabalhadores da indústria nos EUA. Na Operação Lava-Jato, Alencar é o dirigente da Odebrecht acusado por três delatores de ser operador de pagamento de propinas para a empresa no exterior.

A relação oficial de passageiros do voo, obtida pelo GLOBO, mostra que ele era o único que não fazia parte do círculo de convivência de Lula. Estavam na aeronave funcionários do Instituto Lula, o biógrafo Fernando Morais e o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques.

O documento de solicitação do serviço, da Líder Táxi Aéreo, mostra também que o contratante exigiu discrição. No campo “passageiro principal” do formulário, o funcionário da Líder escreveu: “voo completamente sigiloso”. Procurada, a Líder não comentou o motivo do registro.

Para evitar que fosse vinculada ao fretamento, a Odebrecht usou uma de suas parceiras para pagar a despesa: a DAG Construtora, da Bahia. O dono da empresa, Dermeval Gusmão, primeiro negou ter pagado pelo voo. Anteontem à noite, ligou para informar que localizou um pagamento de R$ 435 mil à Líder e disse que um de seus diretores pode ter feito isso a pedido da Odebrecht.



VIAGEM COM LULA EM 2011

Alencar já havia sido convidado por Lula para acompanhá-lo em comitiva do governo brasileiro à África, em 2011, quando ele já não era mais presidente. Na época, o pedido causou constrangimento ao Itamaraty, porque o diretor não trabalhava no governo nem tinha relação direta com atividades do ex-presidente.

No mesmo ano, a Odebrecht pagou para que Lula viajasse à Venezuela, também na companhia de Alencar, segundo a revista “Época”. Alencar foi um dos principais interlocutores para viabilizar a construção do estádio Itaquerão, antigo sonho de Lula, segundo o livro de memórias do ex-presidente do Corinthians Andrés Sanchez.

O primeiro delator a citar o nome do diretor da Odebrecht na Lava-Jato foi o doleiro Alberto Youssef. Ele disse que a Braskem, do grupo Odebrecht, obteve vantagens na compra de insumos da Petrobras, graças a uma renegociação de preços conduzidas na estatal pelo então diretor Paulo Roberto Costa. Em troca, a Braskem teria aceitado pagar US$ 5 milhões em propinas, a serem divididos entre dirigentes do PP e Costa, com intermediação de Youssef.

O doleiro mencionou o local onde se reunia com o diretor da Petrobras e Alencar: nos hotéis Hyatt e Tivoli, em São Paulo, entre 2006 e 2012. Segundo os depoimentos, a construtora depositava os valores em contas fora do país; os recursos eram internalizados em operações de fachada.


Youssef disse que marcava encontros com Alencar por telefone. O número do diretor da Odebrecht consta da lista de ligações realizadas ou recebidas por um dos aparelhos de Youssef, conforme relatório sigiloso da empresa Blackberry, enviado aos investigadores da Lava-Jato e localizado pelo GLOBO.

Funcionário do doleiro e também delator, Rafael Angulo disse ao Ministério Público ter se reunido com Alencar na sede da Odebrecht, em São Paulo, para lhe fornecer o número de contas bancárias no exterior que deveriam ser usadas para depósitos. Também aparecia para recolher comprovantes de pagamentos realizados.

Ao depor, Costa confirmou o pagamento de propina pela Braskem, mas negou que tenha discutido a parte que cabia ao PP com a empresa, limitando-se “à parte da propina que cabia ao próprio depoente”.



CONSTRUTORA ALEGA TER PAGADO POR PALESTRA DO EX-PRESIDENTE

A Odebrecht informou ter pagado pela viagem do ex-presidente por três países em função de agenda complementar cumprida por ele na República Dominicana, que não foi divulgada pelo Instituto Lula. Segundo a construtora, além de se encontrar com o presidente do país, Lula realizou uma palestra “para empresários, investidores, políticos e formadores de opinião”.

Ao GLOBO, o Instituto Lula confirmou a palestra e disse que “às vezes sim, às vezes não” a organização divulga na agenda oficial do ex-presidente a sua participação em eventos privados.

Por meio da assessoria da Odebrecht, O GLOBO perguntou a Alexandrino Alencar se conhecia o doleiro Alberto Youssef e qual era seu posicionamento sobre as acusações feitas por ele, no âmbito da Operação Lava-Jato. O diretor negou o que chamou de “alegações caluniosas feitas por réu confesso” e preferiu não responder se conhecia Youssef.

Quando O GLOBO informou à assessoria da Odebrecht que o número do diretor constava de relatório da Blackberry em posse dos investigadores da Lava-Jato, Alencar mudou o posicionamento e disse ter conhecido o doleiro “por intermédio de José Janene”, na condição de assessor do deputado, que morreu em 2010.

Perguntado sobre o motivo do contato telefônico que teve com o doleiro, mesmo depois de Janene já ter falecido, Alencar respondeu lacônico: “agendamento de reunião”.

Sobre a viagem de janeiro de 2013, a Odebrecht informou que Alencar teria acompanhado o ex-presidente apenas no trecho que incluiu a República Dominicana e Cuba, onde a empresa construiu o Porto de Mariel. Segundo a assessoria, o dirigente não teria acompanhado o ex-presidente na viagem ao Estados Unidos, apesar do trecho também ter sido pago pela construtora.

Perguntada sobre o motivo de pedir à DAG Construtora que pagasse pelo fretamento, em vez de ela própria efetivar a despesa, a Odebrecht disse ter solicitado o favor à sua parceira comercial “por uma questão de logística”.

O GLOBO perguntou a Alexandrino Alencar sobre a relação dele com o ex-presidente Lula. O dirigente afirmou que “conhece o ex-presidente Lula e sempre teve com ele uma relação de cordialidade e respeito”.

Por meio de nota, a Braskem, que é controlada pela Odebrecht, negou que tivesse pagado propina ao PP e a Paulo Roberto Costa para obter vantagens em compras da estatal. “Todos os contratos e os pagamentos seguiram os preceitos legais e foram aprovados de forma transparente, de acordo com as mais rigorosas regras de governança corporativa”, disse a empresa, que completou, na nota: “Além disso, é importante ressaltar que os preços praticados pela Petrobras na venda de matérias-primas nunca favoreceram a Braskem e sempre estiveram atrelados às referências internacionais mais caras do mundo, com notórios efeitos negativos para a competitividade da Braskem e da petroquímica nacional”.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/brasil/diretor-da-odebrecht-pagou-voo-sigiloso-de-lula-para-cuba-em-2013-15850030#ixzz3XEb9iSoS
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

domingo, 12 de abril de 2015

A queda de Lula levanta o Brasil

lula-queda

Destaco os principais pontos da matéria “O crepúsculo do lulismo“, da IstoÉ:

1) Lula absorve o descrédito do governo e os sucessivos escândalos de corrupção protagonizados pelo PT.

2) O patrimônio político que poderia lhe garantir um terceiro mandato presidencial em 2018 está em xeque.

3) O “nós contra eles” não funciona mais.

4) Lula e o PT perderam a primazia das manifestações.

5) Foi um fiasco o protesto de centrais sindicais e movimentos sociais.
- São Paulo: pouco mais de 200 pessoas;
- Bahia e vários estados do Nordeste: menos de 100.
- Brasília: CUT pagou cachê de R$ 45, além de oferecer lanche, boné e camiseta para pessoas pobres da periferia, 30 delas recrutadas na região do Sol Nascente, a maior favela do DF.

6) Lula tem se revelado descrente com o futuro, em conversas com pessoas próximas na sede do seu Instituto.

7) Lula ficou apreensivo com pesquisas internas do partido, encomendadas após o choque de realidade do 15 de março.
Elas indicam que:
a) A base social que o sustentava derrete na mesma velocidade da perda de sua capacidade de mobilização.
b) As mesmas pessoas que consideram Dilma incapaz de resolver os problemas do país e os roubos na Petrobras identificam o governo Lula como sendo a origem dos escândalos de corrupção.
c) A corrupção, para elas, está ligada aos desmandos administrativos e não há como dissociar Lula da crise atual.
d) O PT perdeu força entre os jovens.

8) O item anterior é confirmado pela pesquisa da CNI/Ibope:
O maior percentual da queda de popularidade do governo Dilma concentrou-se entre os mais jovens:
- De 25 a 34 anos: 92% reprovam o governo.
- De 16 a 24 anos: 86% reprovam o governo.

9) Ao cooptar a União Nacional dos Estudantes (UNE) e se aproximar institucionalmente dos líderes da entidade, o PT imaginou que ganharia o apoio dos jovens. Fracassou.

10) O mesmo ocorreu com as centrais sindicais. Os burocratas das organizações trabalhistas ganharam assento no governo, mas os trabalhadores não se sentem mais representados pelos sindicatos.

11) O índice de eleitores arrependidos de terem votado em Dilma subiu para 66%, segundo o Instituto Paraná.

12) Aécio venceria Lula hoje por 51,5% a 27,2% – cenário impensável até dois anos atrás.

13) Para evitar naufragar com Dilma, Lula se aproxima da esquerda petista, dos sindicatos e movimentos sociais.

14) Ao mesmo tempo em que recomenda a presidente a partilha do poder com o PMDB, nas bases partidárias Lula joga em outra direção, revelando o caráter personalista do seu projeto.

15) Lula recebeu em seu Instituto militantes dos movimentos nacionais de moradia, indóceis com o cancelamento da terceira fase do programa Minha Casa, Minha Vida.

16) “Provavelmente, as eleições municipais serão as primeiras eleições em que o PT decairá no número de prefeituras. De qualquer forma, os fatos recentes mostram que o lulismo já está bastante enfraquecido”, afirma o cientista político e sociólogo Antonio Lavareda.

COMENTO:
Lula, Dilma e o PT são indissociáveis – e têm de cair juntinhos.
Só a queda desse projeto criminoso de poder pode levantar o Brasil.

Vem pra rua!
Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil
Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Esquema do mensalão, operação lava-jato e esquema de propina da Petrobras rende milhões no Amazonas e em Itacoatiara.


Aristeu e o dominio da paixao


Aristeu era adorado na Grécia antiga como o protetor dos caçadores, pastores e dos rebanhos. Considerado como o pioneiro da apicultura e da plantação de oliveiras, ele era filho de Apolo e da ninfa Cirene. De seu pai ele havia herdado os dons da cura e da profecia, mas mesmo sendo filho de um deus e considerado benévolo, ele não conseguiu a imortalidade estando exposto às vulnerabilidades humanas.

Na véspera do casamento de Eurídice e Orfeu, Aristeu tentou seduzir Eurídice. Quando ela tentou escapar foi picada por uma serpente venenosa. Ouvindo o triste canto de Orfeu pela morte de Eurídice, as ninfas resolveram vingar-se de Aristeu matando todas as suas abelhas. Inconsolado pela perda de sua colméia, Aristeu pediu à sua mãe que o ajudasse a recuperar suas abelhas.

Cirene falou-lhe de Proteus, o velho e sábio profeta que talvez pudesse ajudá-lo. Porém Proteus se recusava a fazer profecias e fugia metamorfoseando-se em animais, árvores, água e fogo. Mas havia um jeito de dominá-lo: bastava esperar que ele dormisse e o mantivesse preso entre braços, mesmo quando ele se transformava em terríveis feras e monstros.

Antes de levar seu filho diante de Proteus, Cirene perfumou seu filho com néctar, a bebida dos deuses. Logo Aristeu foi tomado de grande coragem. Proteus saiu da água junto com seu rebanho de focas e adormeceu na entrada da gruta. Nesse momento, Aristeu lançou-se sobre ele acorrentando-o com todas as suas forças. O profeta se transformou em leão, dragão, tigre, javali e outros monstros, mas Aristeu o manteve preso apesar dos seus artifícios.  

Percebendo que era inútil, Proteus rendeu-se aos apelos de Aristeu e disse-lhe: " Por seus atos interrompeste a felicidade de Orfeu e Eurídice. Deves apaziguar a ira das ninfas e render homenagens fúnebres à Eurídice. Para tanto deverás escolher e sacrificar quatro touros de belo porte e quatro de suas melhores novilhas. Deves deixar as carcaças no bosque e cobri-las com folhas. Volte lá apenas depois de nove dias..."

Aristeu não entendeu o que isso poderia ajudá-lo, mas atendeu às recomendações de Proteus. Voltando ao local depois de nove dias maravilhou-se com o que viu:  um enxame de abelhas havia tomado posse das carcaças e trabalhava numa colméia.

Aristeu casou-se com Autônoe, que era filha de Cadmo - Rei de Tebas. Eles tiveram o filho Acteon que, ao tornar-se adulto teve um trágico destino. Exímio caçador, Acteon fora criado pelo Centauro Quíron. Um dia, estava caçando na floresta quando deparou com Artemis e as suas ninfas banhando em um lago. Famosa por sua castidade, Artemis ficou indignada quando viu Acteon observando-as. Molhando as mãos, aspergiu água no caçador que se transformou em um veado. Em sua nova forma, Acteon foi perseguido e devorado pelos própios cães.

Abatido pela morte de seu único filho, Aristeu consultou o oráculo de Apolo que o orientou a seguir para a Ilha de Ceos. Lá, ele conseguiu interromper uma praga que se abatia sobre a Grécia, oferecendo sacrifícios no momento do nascimento da estrela Sirius. Viajando pela Itália, encontrou Dionísio e foi iniciado em seus ritos secretos. Vivendo perto do Monte Haemus, nunca mais foi visto pelos mortais...
 

sábado, 11 de abril de 2015

Secretaria Cultura do Amazonas, promove circuito de músicas sacras




































MÚSICA SACRA EM CIRCUITO COM CORAL DO AMAZONAS
 
O Coral do Amazonas apresenta neste sábado, 11, às 19h30, na Igreja Metodista Wesleyana Central de Manaus (rua Belo Horizonte), o segundo concerto do Circuito de Música Sacra 2015.
 
 
Depois da belíssima apresentação na abertura da Semana Santa, no tradicional Domingo de Ramos, na Catedral Metropolitana de Manaus, o Coral do Amazonas dá sequência a sua tradicional série de música sacra, onde apresenta um repertório erudito, com algumas composições inéditas em Manaus, como “O Magnum Mysterium”, do compositor catalão Javier Busto, e “Alegrai-vos no Senhor”, do jovem compositor amazonense Jaime Fernandes Jr.
 
Na abertura, o coral canta em forma de processional o coro de abertura do Gloria, do compositor italiano Antonio Vivaldi. Obras famosas como "Pai Nosso", de Albert Hay Mallote, "Aleluia", de Beethoven, e o "Battle Hymn of the Republic", presente em muitos hinários evangélicos com o título "Gloria, Gloria, Aleluia!" também fazem parte do programa. O concerto tem direção musical e regência do maestro Zacarias Fernandes.

REPERTÓRIO

1. Gloria (Vivaldi)
2. O Magnum Mysterium (Javier Busto)
3. Salmo 143 (Hermes Coelho)
4. Crucifixus (Antonio Lotti)
5. Oração do Senhor (Albert Hay Mallote)
6. Instrumento de tua paz (Ralph Manuel)
7. Alegrai-vos (Jaime Fernandes Jr.)
8. Aleluia (Beethoven)
9. Battle Hymn of the Republic (William Steffe/Arr. Peter Wilhousky)


SEC/AM

sexta-feira, 10 de abril de 2015

10 DE ABRIL - DIA DA ENGENHARIA


É hoje o Dia da Engenharia no Brasil. Data assim considerada em homenagem ao Tenente Coronel João Carlos de Villagran Cabrita (v...isto na foto aqui apresentada), engenheiro militar e Comandante do 1.º Batalhão de Engenharia na Guerra da Tríplice Aliança que, assim como outros combatentes, tombou, em 10 de abril de 1866, na Batalha da Ilha de Redenção, no Rio Paraná.
É data para, engenheiro civil que sou, homenagear a todos que decidiram abraçar esta profissão. Penso que, além destas minhas palavras, uma outra homenagem que posso fazer é apresentando aqui um pouco da história do curso de Engenharia Civil na Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e, por extensão, no Amazonas. A história é a que se segue!
17 de janeiro de 1909 - Criação da Escola Universitária Livre de Manáos, mais tarde (em 1913) denominada Universidade de Manáos.
Finalidade da Escola Universitária Livre de Manáos; ensinar matérias que compunham o curso de Engenharia Civil, Agrimensura e Agronomia, dentre outras.
15 de março de 1910 - Oficialmente instalados os cursos que compunham suas cinco primeiras unidades acadêmicas: Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais, Faculdade de Medicina, Faculdade de Ciências e Letras, Faculdade Militar e FACULDADE DE ENGENHARIA. Esta última com seu curso de Engenharia Civil, Agrimensura e Agronomia.
Diretor: Arthur Cezar Moreira de Araújo. Vice-Diretor: Manoel do Nascimento Pereira de Araújo.
No Grupo Escolar Saldanha Marinho (esquina das ruas Saldanha Marinho e Costa Azevedo - Centro de Manaus. Foto em preto e branco) as aulas continuaram até 1913, quando a Escola Universitária Livre de Manáos passou a denominar-se Universidade de Manáos.
No prédio da Repartição de Obras Públicas (prédio na cor rosa), na Rua Joaquim Nabuco - Centro de Manaus, foram ministradas aulas da Universidade de Manáos.
1910 e 1911 - Sete discentes em Engenharia em cada ano (sendo, respectivamente, cinco matriculados e dois ouvintes no primeiro ano e seis matriculados e um ouvinte naquele segundo ano).
1914 - Diretor da Faculdade de Engenharia: Francisco Lopes Braga.
1926 - Extinção da Universidade de Manáos em decorrência do declínio econômico do ciclo da borracha nativa da Amazônia.
Estabelecimentos que permaneceram como unidades acadêmicas isoladas: A Escola Agronômica de Manaus (antiga Faculdade de Engenharia), extinta em 1943; a Faculdade de Farmácia e Odontologia (antiga Faculdade de Medicina), extinta em 1944; e a Faculdade de Direito (antiga Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais).
12 de junho de 1962 - Criação da Universidade do Amazonas (UA), tendo na sua composição, além de outros, os seguintes estabelecimentos de ensino superior: a Faculdade de Engenharia (com o curso de Engenharia Civil, criado em 1965 pela Resolução 06/65 - UA); e a Faculdade de Direito do Amazonas, a única remanescente da Universidade de Manáos, quando ocorreu a débâcle do ciclo da borracha.
Entre os anos de 1966 a 1970 a Faculdade de Engenharia funcionou em edifício (cinza claro) localizado na esquina das ruas Ferreira Pena e Ramos Ferreira - Centro de Manaus.
No atual prédio (amarelo) da Escola Estadual Eunice Serrano T. de Souza , situado na Rua Monsenhor Coutinho esquina com a Avenida Epaminondas - Centro de Manaus, a agora denominada Faculdade de Tecnologia (FT) funcionou entre os anos de 1971 a 1976.
No Bloco H do Mini-Campus da UA (atual Setor Sul da UFAM - Bairro Coroado) a Faculdade de Tecnologia passou a funcionar a partir do ano de 1977.
14 de dezembro de 1988 - Transferência, definitivamente, da sede da Faculdade de Tecnologia para as atuais instalações no Campus Universitário da UA que, por sua vez, desde 20 de junho de 2002, passou a ser denominada Universidade Federal do Amazonas - UFAM.
As duas últimas imagens são, respectivamente, a vista parcial das instalações da FT, no período de 1988 a 2012, e a de seu prédio administrativo desde 2012 até atualmente.
Diretores ao longo da existência da Faculdade de Tecnologia: engenheiros Ernani Villar Parente da Câmara, Nelson Ribeiro Porto, Villar Fiuza da Câmara, Elias Abdalla Aucar, Raimundo Lopes Filho, Ruy Fernando Ribeiro da Fonseca, Vilar Fiuza da Câmara Júnior, Varcily Queiroz Barroso, Hélvio Neves Guerra, Jorge de Andrade Filho, Atlas Augusto Bacellar, Moysés Assayag e Waltair Vieira Machado, além de outros que ocuparam interinamente a função.
Desde dezembro de 1970 até abril de 2014 a Faculdade de Tecnologia (FT) da Universidade Federal do Amazonas formou 1.547 (um mil, quinhentos e quarenta e sete) profissionais de Engenharia Civil, dos quais 57 (cinquenta e sete) tornaram-se membros do corpo docente da UFAM.
A atual administração da Faculdade de Tecnologia é a seguinte:
Diretor: Prof. Dr. José de Castro Correia;
Vice-Diretor: Prof. Dr. Nilson Rodrigues Barreiro;
Coordenador do Curso de Engenharia Civil: Prof. Mestre Elias Simão Assayag;
Assistentes Administrativas: Maria de Fátima Mota Chaves e Ana Marcilene Ribeiro dos Santos.
É isso, caríssim@s amig@s Engenheir@s Civis e das outras demais Engenharias! PARABÉNS PARA TOD@S POR ESTE NOSSO DIA DA ENGENHARIA! Abraços fraternos, sucesso e tudo de bom para tod@s!

(Fontes:
Texto: 1 - Brito, Rosa Mendonça de. Da Escola Universitária Livre de Manáos à Universidade Federal do Amazonas - 95 anos construindo conhecimentos. Manaus, EDUA, 2004; 2 - Levantamentos sobre o quantitativo de formados: Professores Vilar Fiuza da Câmara Júnior e Wagner Queiroz da Silva.
Imagens: Google; Rosa Mendonça de Brito; Bosco Ladislau)

https://www.facebook.com/joaoboscoladislau.andrade/posts/755862211201692
 

Consulta de opinão

ALBUM DE ITACOATIARA